Siga-nos:

Cirurgia Ortognática Classe 3

A VPN is an essential component of IT security, whether you’re just starting a business or are already up and running. Most business interactions and transactions happen online and VPN

A relação entre os maxilares determina a classificação da deformidade dentofacial, podendo ser de Classe 1, Classe 2 e Classe 3. No caso da classe 3, ela ocorre quando o maxilar inferior (mandíbula) está posicionado à frente em relação ao maxilar superior (maxila).

As variações das estruturas ósseas na maxila ou mandíbula levam a alterações nos tecidos moles da face, que caracterizam tanto uma deficiência de maxila em diversas gravidades ou um prognatismo mandibular de diferentes magnitudes. Estas alterações no desenvolvimento do esqueleto facial subjacente, determinam em grande parte os movimentos no esqueleto ósseo facial, sendo necessária uma cirurgia ortognática para obter um melhor resultado estético facial.

Com relação ao excesso mandibular, os tecidos moles revelam em uma visão frontal uma distância interlabial aumentada, exposição excessiva do vermelhão do lábio inferior e deficiência das áreas paranasais. Olhando o rosto de lado o perfil é côncavo, tem deficiência da face média, lábio inferior evertido, distância interlabial aumentada e deficiência do mento. Estas características fazem que a mandíbula necessite ser reposicionada posteriormente na cirurgia ortognática de classe 3.

Além da obtenção da estética, a cirurgia ortognática classe 3 visa o restabelecimento da oclusão funcional da mordida, relações entre os dentes superiores e inferiores funcionais. Assim quando encaixamos os dois maxilares baseando-se no encaixe dentário ideal / funcional, os mesmos estabelecem uma relação entre si, repercutindo na estética da face. Neste momento torna-se importantíssimo o feeling do cirurgião no reposicionamento do complexo maxilomandibular, unidos pela relação dentária funcional para dar o melhor suporte do esqueleto facial aos tecidos moles da face, objetivando o equilíbrio estético da face.

A previsibilidade do avanço maxilar (colocar o maxilar superior para frente) na cirurgia ortognática classe 3, requer o equilíbrio entre o resultado do sorriso, ou seja, quanto de dente e gengiva irá aparecer no repouso e no sorriso, e também qual será o efeito nos tecidos moles da face (pele, maçã do rosto, queixo, preenchimento ao redor do nariz) em sua aparência tanto de perfil quanto em uma visão frontal.